Enaex 2018. Agenda de propostas

ENAEX divulga agenda de propostas para aumentar competitividade do comércio exterior

Foto Erik Barros

Mantendo sua tradição de fórum de debate dedicado à defesa do comércio exterior brasileiro, o Encontro Nacional de Comércio Exterior (ENAEX 2018) reuniu cerca de 3 mil participantes, no Rio, dias 15 e 16 de agosto, para discutir o tema “Desafios para um Comércio Exterior Competitivo”. Os debatedores concluíram que o setor deveria ser tratado não como coadjuvante de políticas em conjuntura de crise, mas como política de estado, na medida em que é protagonista do desenvolvimento sustentável, gerador de empregos, rendas e inclusão social.

Organizado pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), o encontro reuniu autoridades governamentais e empresários de todo o país, e mais uma vez deu ênfase ànecessidade de medidas que propiciem aos produtos brasileiros, principalmente manufaturados, capacidade para competir em condições isonômicas com seus concorrentes internacionais, tanto no mercado externo quanto no doméstico.

“No presente cenário do comércio exterior, o futuro do Brasil é o passado”. A afirmação é do presidente da AEB, José Augusto de Castro, durante a abertura do ENAEX. Castro disse ainda que, apesar dos superávits constantes na balança comercial, o país vem perdendo mercado por exportar basicamente commodities, produtos que, além de não contarem com valor agregado, sofrem forte influência externa. “Nossos indicadores apontam queda devido à situação econômica da Argentina. Devemos fechar este ano  com saldo de U$ 56 bilhões contra os U$ 67 bilhões do ano passado”, previu.

Entre as razões do pessimismo, o presidente da AEB elencou o alto Custo Brasil – estimado em 30% em estudo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) – que acabaria com cerca de 2 milhões de empregos qualificados no país. Castro diz que o único caminho é promover reformas (tributária, previdenciária, entre outras) urgentemente, reduzir a burocracia, investir em infraestrutura e acabar com a insegurança jurídica que assusta os mercados nacional e internacional.

A mesa de abertura do ENAEX contou ainda com as presenças do ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima; subsecretário geral de Cooperação Internacional e Promoção Comercial do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Santiago Mourão, representando o ministro Aloísio Nunes; do consultor econômico da Presidência da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e presidente de honra da AEB, Ernane Galvêas; do diretor de Desenvolvimento Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Eduardo Abijaodi; do presidente da Federação da Agricultura, Pecuária e Pesca do Rio de Janeiro, Rodolfo Tavares; e do vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Carlos Mariani Bittencourt.